24/05/2015

 

PENTECOSTES – RESTAURANDO O PADRÃO DE OPERAÇÃO DA IGREJA
E A PAIXÃO PELAS VIDAS!
(Atos 2.1-13)

 

 

Nesse Ano da Restauração do Altar, quando precisamos nos habilitar para uma Colheita Fiel, vamos restaurar o propósito do Pentecostes em nossas vidas, para que entremos numa colheita sobrenatural de almas parta o Senhor Jesus. É preciso restaurar os memoriais estabelecidos pelo Senhor para o Seu povo, porque eles têm um significado tão atual e conciso hoje, como tiveram no tempo em que foram estabelecidos. Os memoriais e as festas ou convocações do Senhor para o Seu povo visam o ensino dos princípios e valores essenciais da fé e foram estabelecidos por Deus como figuras da obra realizada por Ele para nós por meio de Cristo. Elas têm uma função pedagógica.

 

Nosso Deus é um Mestre de excelência e, como tal, tem Suas estratégias de ensino. Ele sabe que poucas coisas nos marcam tanto como as celebrações; por isso, Ele usou algumas festas ou celebrações para ensinar ao Seu povo valores e princípios que jamais deveriam ser esquecidos. Essas festas também são chamadas de "as festas fixas do Senhor" ou "as festas de Jeová" (Lv 23.1-44). Não eram encontros opcionais nem acidentais dos israelitas, eram solenidades (Sf 3.18) que tinham lugar específico (Sl 74.8) e um tempo determinado (Êx 34.18). As “festas fixas do Senhor”, que foram designadas como estatuto perpétuo, significavam um encontro específico do povo com Deus, marcado por Ele e tinham (e têm) a finalidade de ensinar ao povo as intervenções importantes de Deus e o seu resultado na vida do povo. Elas esclarecem as intenções do coração de Deus e os Seus propósitos para o homem, a coroa da Sua criação! São elas: o Sábado, a Páscoa, a dos Pães Asmos, as Primícias, o Pentecostes, as Trombetas, o Dia da Expiação e a Festa dos Tabernáculos.

 

Pentecostes (Festa das Semanas ou da Sega - Êx 23.16), é uma festa que dura um dia e fala do reconhecimento do favor de Deus dando-lhe a abundante colheita anual (trigo, figo, cevada, romã, tâmara, uva, azeitona); fala do derramar do favor de Deus na direção do Seu povo; representa para nós a descida e o batismo com o Espírito Santo e a formação da Igreja de Jesus. Como a descida do Espírito Santo e a formação da Igreja estão ligados à obra messiânica de Cristo, vamos observar que Pentecostes está ligado à Páscoa, aos Pães Asmos e às Primícias.

 

Páscoa, que significa passagem ou passar por cima, durava um dia (dia 14 do mês de Nisan) e é um memorial que tem a função de lembrar da tremenda obra realizada por Deus para a libertação do Seu povo da escravidão egípcia. Para nós, cristãos, a Páscoa tipifica a morte de Cristo pela nossa redenção, para nos libertar do jugo do pecado e da morte eterna. Páscoa fala da morte do Cordeiro de Deus, que na cruz do Calvário expiou nossa culpa diante de Deus e garantiu a nossa libertação. Aleluia!

 

A partir do dia seguinte à Páscoa (dia 15 de Nisan), e por sete dias, realiza-se a Festa dos Pães Asmos ou dos Pães sem Fermento, que para nós tipifica uma vida sem contaminação, a verdadeira vida cristã ou a vida perfeita de Cristo. Mas no 16º dia do mês de Nisan (um dia após começar a Festa dos Pães Asmos) celebra-se a Festa das Primícias; nela o povo levava ao sacerdote as primícias da colheita daquele ano, o que para nós tipifica a ressurreição de Cristo, a Primícia dentre os mortos. Aleluia! Sete semanas depois das Primícias, no primeiro dia depois da sétima semana (portanto no 50º dia), celebra-se a Festa de Pentecostes (pentecostes quer dizer cinquenta).

 

PENTECOSTES E A IGREJA DE JESUS.

Naquele dia, estavam reunidos 120 homens e mulheres piedosos num cenáculo em Jerusalém, debaixo de um comando de Jesus ressuscitado, de que deveriam esperar pelo cumprimento da promessa do Pai, a descida do Espírito Santo, para serem batizados por Ele (Atos 1.1-14). Aqueles discípulos de Jesus nunca mais foram os mesmos depois daquele Pentecostes. Sairam das quatro paredes daquele cenáculo e revolucionaram o mundo da época com suas vidas e testemunho de Cristo. Vejamos algumas peculiaridades daquele Pentecostes:

 

1- PENTECOSTES É FESTA DA UNIDADE (Atos 2.1-4).

O texto diz que eles estavam todos reunidos em oração, com o mesmo propósito, ou seja, receberem a promessa do Pai de que o Espírito Santo os batizaria. Havia unidade naquele lugar. A unidade dos que crêem atrai o poder de Deus e manifesta a Sua glória! Que a partir desse Pentecostes você quebre as barreiras de separação e isolamento e libere-se para andar em unidade, buscando agregar misericórdia, paz, valor, honra e respeito pelo cônjuge, pela família, pelos irmãos etc.

 

Ali os crentes estavam unidos e o Senhor não fez acepção de pessoas. Diz o texto que dos que estavam na presença do Senhor “todos ficaram cheios do Espírito Santo”. O enchimento do Espírito Santo é para todos os que crêem. Junte-se à sua célula, ao seu M12, em consagração e oração, e vá buscar o enchimento e o renovo do Espírito Santo em sua vida.

 

Entenda que ser cheio do poder de Deus não é privilégio nem obrigação de alguns crentes, mas de todos nós! Creia que a resposta de Deus para os que andam em unidade é uma unção poderosa sobre suas vidas! Sim, você pode ser cheio do Espírito Santo, de modo que sua vida e ministério jamais serão os mesmos. Aleluia!

 

2- É FESTA QUE ATRAI OS SINAIS, PRODÍGIOS E MARAVILHAS DE DEUS (Atos 2.6-7).

Um dos resultados de Pentecostes é a manifestação do poder de Deus! Todos os que presenciaram a manifestação poderosa da descida do Espírito Santo na vida daqueles crentes foram impactados. Com o Pentecostes, o Senhor não só estabeleceu a Sua Igreja, como denunciou a presença dela na Terra, pela manifestação dos sinais, prodígios e maravilhas de Deus. No Pentecostes, Jesus mostra como Sua Igreja deve ser conhecida: cheia do Seu poder, para anunciar aos homens as grandezas de Deus. O Pentecostes é um selo profético e notório que Deus está operando na Terra, pela ação do Espírito Santo na Igreja, isto é: na vida dos fiéis a Cristo.

 

Decida que a partir desse Pentecostes, apesar de muitos ficarem atônitos e alguns até zombarem, você será conhecido(a) como alguém cheio(a) do poder do Espírito Santo de Deus. Libere-se, em nome de Jesus, para que suas reuniões de célula, M12 ou macrocélula ocorram de tal forma que haja a manifestação do poder de Deus. Decida que a partir de hoje entra em sua vida o tempo da manifestação dos milagres, sinais, prodígios e maravilhas de Deus. Profetizo que sua vida, sua casa, seu ministério serão um testemunho vivo do poder de Deus.

 

3- É FESTA DE SALVAÇÃO (Atos 2.37-41)

Porque ela vem depois da Páscoa (redenção) e das Primícias (ressurreição de Cristo), podemos dizer que é a festa da celebração da salvação. Pentecostes não é só ser cheio do poder de Deus, mas é festa da colheita, em que o Senhor quer encher com o Seu poder os que são salvos, para com eles salvar os que estão perdidos. Celebrar Pentecostes é, acima de tudo, acreditar que a Igreja de Jesus tem uma grande colheita de almas na sua direção – uma colheita sobrenatural e maravilhosa, que acontecerá pela manifestação do poder do Espírito Santo (Atos 2.41).

 

Pentecostes é o poder de Deus que opera nos salvos, para que eles se movam no sobrenatural de Deus, mas também voltem seus olhos para os que estão fora da Igreja. Pentecostes é o Espírito Santo batizando os crestes em Cristo com poder e amor pelos perdidos e desviados da fé! Que nesse Ano da Restauração do Altar, ano em que entramos na rota de uma colheita fiel e surpreendente, você sustente a fé e a esperança de que pelo poder do Espírito Santo em sua vida, Deus leve você para colheitas surpreendentes, inclusive de almas para Ele.

 

Concluindo, sua vida reflete o poder de Deus? Se sim, esse poder de Deus se traduz por uma vida no sobrenatural de Deus e por amor aos perdidos? Há em você perseverança para permanecer na presença de Deus até que seja revestido pelo poder do Espírito Santo de Deus?

 

Que esse Pentecostes seja o tempo de buscar ou se renovar na manifestação do poder de Deus e para refletir a respeito de sua postura em relação ao Senhor e à Sua Igreja. Faça desse momento um marco novo em sua vida, casamento, família, ministério, profissão, finanças etc. Decida que você e tudo que diz respeito a você estarão debaixo do poder do Espírito Santo de Deus.

 

Libere-se para entrar no sobrenatural de Deus e decrete que o tempo dos milagres de Deus entrou na sua história. Assuma que esse é um tempo de unidade, restituição, ressurreição de sonhos, do sobrenatural de Deus, mas também de humildade, quebrantamento, perdão, misericórdia. É tempo de assumir (ou reassumir) o seu chamado prioritário no Senhor, que é andar em santidade e alcançar os perdidos para Jesus, pelo seu testemunho e pela manifestação do poder de Deus em sua vida.

 

Inaugure com esse Pentecostes, o tempo de abraçar os que estão dentro e buscar os que estão fora da Igreja de Jesus. É tempo de ser a verdadeira Igreja do Senhor, que abre os braços para receber, consolidar, discipular e enviar a tantos quantos o Senhor alcançar. Ore e chore pelos que se desviaram, e não se deixe esmorecer na rota da conquista das almas, porque Jesus não desistiu delas!

 

No amor do Senhor do Altar

                                                                                             

Aps Aurelio Jesus Santos e Susana M. B. Santos.

 

 

PERGUNTAS PARA A REFLEXÃO CELULAR:

  • Das três peculiaridades relacionadas à Festa de Pentecostes da pastoral, em qual deles você precisa crescer?

  • O que efetivamente você fará, a partir de agora, quanto a viver a plenitude de uma vida cheia do poder de Deus e que cumpre a missão de alcançar os perdidos?

Todos os direitos reservados a Igreja Missionária Manancial

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • MANANCIAL
  • MANANCIAL

Desenvolvido por PLENA PRODUÇÕES