03/08/2014
 
CRISTO, A IGREJA E O REINO DE DEUS
(Gênesis 1.26-28 e Lucas 10.17-20)

 

 

           

Para governar é preciso subjugar. Subjugar é sujeitar, dominar. Este é um conceito militar. Podemos vencer uma batalha, mas perder a guerra, porque uma guerra se vence quando se subjuga ou domina o território que estava sob o governo do inimigo. Se alguém vai à batalha só para vencer, então não está governando o território.

 

A Igreja tem batalhado em muitas áreas, mas não tem conseguido anexar sob seus domínios os territórios pelos quais guerreou. Ela tem vencido, mas como não tem governado o território conquistado, não está expandindo convenientemente o Reino de Deus.

 

SEIS CONSIDERAÇÕES FUNDAMENTAIS QUANDO A REINAR.

 

1- GUERREAR É DIFERENTE DE REINAR.

Sem conquistar e dominar um território, a vitória sobre o inimigo daquele território é passageira. Mais do que ganhar, fomos chamados a reinar! Para reinar ou governar precisamos de dois planos bem elaborados: a) Plano de batalha, que estabelece as estratégias de combate para vencer o inimigo que está num determinado território e, b) Plano de ocupação, que nos permite ocupar, subjugar, governar o território em foco.

 

2- AUTORIDADE É A BASE PARA REINAR.

Autoridade é o direito legal de exercer alguma forma de governo. Deus é o Senhor de todo o Universo; toda autoridade está com Ele e, por isto, Ele estabelece quem Ele quiser para exercer autoridade e governar. Deus é a Autoridade Primária, essencial, e tem o direito de estabelecer quem Ele quiser para representá-Lo no Universo. A esses, estabelecidos por Deus para exercer autoridade, são chamados de Autoridades Delegadas.

 

Toda autoridade delegada tem o direito (e o dever!) de agir em lugar da autoridade superior que a autorizou e da forma como tal autoridade agiria naquela esfera de ação. Autoridade é o direito legítimo para se governar, de agir. Adão recebeu de Deus o direito de agir como Deus! Desde o paraiso, Deus deu autoridade ao homem para governar em Seu nome. Adão e Eva tinham o direito legal (e o dever!) de exercer governo onde estivessem.

 

3- REINAR É GOVERNAR.

Sujeitar (Hebr. “kabash”) é subjugar, dominar, tomar pela força, manter dominado, aprisionar, forçar, violentar, pisar, escravizar ou tornar subserviente ou colocar sob jugo. Deus nos deu autoridade não só para ganhar, mas principalmente para governar, subjugar, sujeitar, escravizar, pisar.

 

Para governar/reinar é preciso subjugar e não só vencer o adversário. Satanás e seus seguidores precisam ser subjugados, forçados a se submeter. Numa guerra ou você subjuga ou é subjugado, ou governa ou é governado.

 

O homem foi criado por Deus para ganhar, subjugar, governar. Deus colocou no DNA do homem essa capacidade, para poder representá-lO no planeta, para poder dominar. Lá no paraiso Deus instruía o homem quanto a ser o governante e como governar o seu território. Na viração do dia, Deus e o homem se encontravam para relacionamento e, certamente, para instrução. Tendo sido feito à imagem e conforme a semelhança de Deus, o homem, com todo o potencial da sua mente brilhante (100%), se relacionava e aprendia, diretamente do Seu criador, como governar, dominar, à maneira de Deus.

 

Devia ser algo simplesmente fantástico. Quanto mais na presença de Deus, mais sua mente se enchia do conhecimento de Deus, melhor o homem governava o seu território! Que  projeto maravilhoso de Deus: um paraiso na Terra, onde o homem, feito à Sua imagem e semelhança, era capacitado por Ele para reproduzir na Terra o Seu modelo de governo.

 

4- TODA AUTORIDADE DELEGADA TEM LIMITES.

No Jardim do Eden, o homem, estabelecido e capacitado por Deus, deveria governar aquele território segundo o modelo divino. Sabemos que toda autoridade delegada está sujeita à autoridade que a estabeleceu e sua esfera de ação é limitada aos parâmetros definidos pelo ato do seu estabelecimento. Respeitar esses limites e obedecer aos parâmetros estabelecidos é sinal claro de submissão e obediência à autoridade instituidora.

 

A área de influência, domínio ou governo do homem era ampla, mas não absoluta, uma vez que a sua autoridade estava diretamente vinculada à sua submissão e obediência a Deus e ao modelo por Ele definido. Enquanto obedecesse aos limites definidos por Deus, estaria estabelecido como governante do paraiso. Deus deu ao homem a liberdade de escolha, para que a sua obediência refletisse a sua submissão ao Senhor. Pois quem tem liberdade de escolher só obedecerá irrestritamente se decidir se submeter.

 

A vida de Adão e a sua maneira de governar estavam diretamente ligadas a tudo aquilo que ele ouvisse e aprendesse de Deus. No entanto, por indução de Satanás, Adão pecou, decidiu desobedecer a Deus, comendo do fruto que Deus disse para não comer.

 

Ao atender à voz do diabo, o homem fechou-se para a voz de Deus, pecou contra o Eterno e perdeu dois direitos fundamentais para governar nos projetos de Deus: perdeu o direito à presença de Deus e perdeu o direito sobre o território dado por Deus! Ao escolher pecar contra Deus, o homem foi afastado da comunhão com Deus e expulso do paraiso de Deus! O pecado nos afasta da presença de Deus e nos faz perder territórios!

 

5- PECADO: BASE PARA O INIMIGO SUBJUGAR E DOMINAR!

Como a obediência reflete a quem se está submisso ou subjugado, o homem, ao pecar, saiu do jugo de Deus e subjugou-se a Satanás, a quem entregou a autoridade que tinha, transformando-o de intruso no planeta para “o príncipe do mundo”, conforme está em João 14.30-31. Satanás só se tornou o governante desse mundo, porque o homem, que era a autoridade estabelecida por Deus para tal, falhou, pecou. Satanás, o inimigo, só vence, subjuga, domina, escraviza e governa se o pecado abrir a porta para ele na vida do homem.

 

6- JESUS: O REI VENCEDOR, RESTAURADOR E RESTITUIDOR DA AUTORIDADE E DO GOVERNO!

Sem derrubar o reino anterior não se exerce novo domínio sobre ele. Só se subjuga um reino quando se vence seus valentes e se toma posse do seu território. Após o pecado, Deus expulsou o homem do paraiso e fechou o seu acesso por causa de duas coisas principais: a) Porque o Jardim do Eden era o território físico para onde Deus estendeu o Reino dos Céus e Ele jamais permitiria que Satanás governasse nos Seus domínios e, b) Para que o homem, a obra-prima da criação de Deus, não emprestasse sua mente, agora corrompida pelo pecado e a serviço de Satanás, fosse usado pelo seu novo senhor (Satanás) para estabelecer o reino do mundo nos domínios do Reino dos Céus.

 

Como Deus decidiu que o Reino dos Céus na Terra seria governado pelo homem na Sua presença, uma vez que o homem se afastou de Deus e se submeteu a Satanás, o Eterno retirou o Reino dos Céus da Terra. Assim, a Terra, que Deus deu aos homens, foi entregue, pelo mesmo homem, ao seu novo senhor – Satanás. Infelizmente, através do pecado Satanás conseguiu subjugar o homem e remover o governo dos céus da vida do homem e da Terra.

 

Foi o pecado de Adão que viabilizou Satanás a vencer e a assumir o governo na Terra até a obra de Cristo ser manifesta! É por isso que não se encontram relatos de expulsão de demônios no Antigo Testamento, só no Novo, a partir da obra de Cristo. Até a chegada de Jesus, Satanás tinha a legalidade e a autoridade para permanecer e agir no planeta. Foi por isso que Jesus disse que para entrar na casa de um valente, vencê-lo, tirar-lhe a confiança e saquear-lhe os bens só alguém mais valente do que ele (Lc 11.20-22).

 

Em Cristo, Deus retoma o projeto original e devolve ao homem a legalidade negociada, a autoridade perdida, o poder e o governo dominar novamente. Agora não mais o Reino dos Céus num jardim, mas o Reino de Deus dentro do homem e, por seu intermédio, nos territórios onde este homem estiver exercendo o governo divino. Jesus disse que o Reino de Deus era chegado por meio dEle e que tal reino não tinha visível aparência, porque ele estaria dentro em nós! (Lc 17.20-21).

 

A IGREJA: O CORPO DE CRISTO REINANDO NA TERRA!

Na cruz do Calvário, como o Filho do homem, Ele venceu e retomou para o homem o direito de governar, subjugar, como no princípio. Na ressurreição de Cristo Satanás foi derrotado e a Igreja de Jesus foi estabelecida e empossada como autoridade e governo no planeta!

 

O que nos falta? Não é vencer Satanás (isto já foi feito por Cristo!); o que nos falta é subjugar o inimigo e seu reino, porque tudo já está consumado. A justiça de Deus foi executada em Cristo e o projeto original de Deus com os homens foi retomado!            Cristo comissionou a Igreja como autoridade na Terra para exercer governo e poder.

 

Satanás já foi colocado por Cristo debaixo dos pés da Igreja, que é o Seu Corpo na Terra; a Igreja de Jesus tem a custodia sobre Satanás! Como Igreja de Jesus, somos oficiais de justiça do Supremo e Soberano Juiz e as portas do inferno não podem prevalecer, ou suportar, ou resistir à autoridade da Igreja! Aleluia! Isaias 55.17 diz que nenhuma arma forjada contra nós irá prosperar e nós (e não Deus) condenaremos toda língua que se levantar contra nós em juízo.

 

COMO GOVERNAR?

Ocupando o território conquistado depois de desapropriado. Jesus disse que a casa liberta e limpa precisa ser ocupada para que o antigo habitante não volte com mais sete. A ocupação tem a finalidade de implantar no território conquistado o Reino de Deus com toda a sua cultura.

 

Ao se conquistar um território para Jesus, seja o casamento, família, trabalho, ministério etc, precisamos santificá-lo e viver santamente dentro dele. Por isso nossas palavras, atitudes e ações precisam ser compatíveis com o Reino de Deus para que essa nova cultura seja estabelecida. Nosso trabalho é subjugar Satanás, mantê-lo no seu lugar e não deixá-lo sair do cárcere, enquanto mantemos o território onde ele governava plenamente ocupado pelos princípios e cultura do Reino de Deus.

 

Vamos buscar uma vida de santidade, longe do pecado, que é o que tira do diabo as oportunidades de reinar. Só santos de Deus aprisionam e subjugam Satanás e ocupam os territórios conquistados. Deixe Deus governar sua vida. Primeiro peça a Deus para subjugar o reino das trevas que houver em você (na mente, no coração, nos relacionamentos etc) e ocupar sua vida. Depois, na autoridade restaurada e restituida por Cristo, exerça o governo do Reino de Deus na Terra, ocupando e santificando os territórios que Deus lhe entregar (como casamento, família, ministério, células, trabalho etc).

 

No amor do Senhor da Colheita Ampliada.

 

Aps Aurelio Jesus Santos e Susana M. B. Santos.

 

 

PERGUNTAS PARA A REFLEXÃO CELULAR:

  • Você só tem vencido o diabo ou também tem ocupado territórios?

  • Em quais territórios a ocupação está deficiente: casamento, família etc?

  • O que você efetivamente precisa fazer para que nenhum território conquistado fique desocupado e retorne às mãos do adversário?

Todos os direitos reservados a Igreja Missionária Manancial

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • MANANCIAL
  • MANANCIAL

Desenvolvido por PLENA PRODUÇÕES