A CEIA DO SENHOR, A CRUZ, A UNIDADE E A MATURIDADE ----- 06/07/13

            Nesse Ano da Unidade e da Maturidade, mais do que nunca, precisaremos ter experiências sobrenaturais com a cruz. Sem cruz, ninguém amadurece nem anda em unidade (casamento, família, igreja etc). E há algo tremendo na caminhada cristã que está profundamente ligada à cruz, que é a Ceia do Senhor.

            A Ceia do Senhor é mais do que um simples ritual religioso, é um sacramento (mandamento santo) ordenado pessoalmente pelo Senhor Jesus para os Seus discípulos. Ele mesmo Se identificou como o Cordeiro da Páscoa e, durante a ceia com Seus discípulos, chamou o pão como o Seu corpo partido e o fruto da videira como sendo o Seu sangue derramado pelo pecador, o sangue da Nova Aliança.

            A Ceia, portanto, é um testemunho cristão da morte do Senhor, pois fala da redenção do pecador que nEle crê, mas é também um testemunho profético da Sua volta, uma vez que foi-nos ordenado realizá-la até que Ele volte. Participar da Ceia do Senhor é declarar publicamente que a) acreditamos na morte redentiva do Senhor Jesus, isto é; na eficácia remidora do seu sangue derramado na cruz do Calvário e b) esperamos pela Sua volta. Ter a revelação da Ceia de Jesus, implica em ter a revelação da Sua obra da cruz, a Sua morte.

            A cruz de Cristo nos trouxe salvação, mas é a nossa cruz que nos amadurece, nos faz andar em unidade e nos mantém como Seus discípulos. Todo discípulo de Cristo necessita conhecer o caminho da cruz, como Cristo o fez e nos ensinou, para amadurecer na caminhada. Sem a nossa cruz não crescemos, não andamos com Cristo e nem com nosso próximo. Quando Jesus disse que quem quisesse ser Seu discípulo (seguidor, aprendiz) deveria tomar a sua própria cruz, estava fazendo referência ao amadurecimento e ao caminhar em unidade, que nos faz ser Seus seguidores.

            Só os libertos e curados amadurecem e andam em unidade. O caminho da cruz traz libertação e cura, porque foi nela que os tiranos chamados de mundo, carne, pecado e diabo foram (e continuam sendo) vencidos. Nossos níveis de unidade (aliançamento) e maturidade no casamento, família, igreja etc são proporcionais aos nossos níveis de libertação e cura em relação àqueles tiranos terríveis.

 

TRÊS OPERAÇÕES DA CRUZ NA VIDA DO DISCÍPULO:

            Claro que a cruz de Cristo é a base da nossa salvação, mas é também da nossa santificação, libertação e cura, que são fatores importantíssimos para nosso amadurecimento e vida de aliança (unidade). Há pelo menos três operações da cruz que fluem para que possamos andar em unidade e maturidade: o perdão, a mudança do nosso caráter pelo de Cristo e uma nova identidade.

 

a- PERDÃO:

            A raiz do perdão está na cruz. Nenhuma outra religião oferece o perdão, só o cristianismo! Só Jesus Cristo oferece perdão de pecados. Lá na cruz, o sangue remidor de Jesus foi derramado a favor do que nEle crê (Rm 5.6-11). Fora da cruz de Cristo Deus não pode nos perdoar. Pois é lá que está a provisão para o pecador. Lembre-se que a cruz custou a Deus tudo o que Ele é e tudo o que Ele tem. Perdão não é barato.

            Assim como Cristo tomou Sua cruz para nos trazer o perdão que tanto precisamos, também não conseguiremos liberar o perdão para outras pessoas se não formos à cruz! Ao nos mandar tomar a nossa cruz, certamente estava nos remetendo ao único lugar onde poderíamos nos assemelhar a Ele no quesito do perdão. Sem cruz não há perdão!

            Cruz fala de morte e morte fala de quebrantamento, de humilhação, de renúncia, que são a base do perdão. Quem não morre não renuncia e quem não renuncia não perdoa.

- Na cruz morremos para nós mesmos, saímos da nossa justiça própria e entramos sob a justiça de Deus, onde há o verdadeiro perdão.

            Se não morrermos para a carne (cruz, renúncia), não conseguiremos perdoar e, em consequência, não entraremos nos níveis necessários de unidade e maturidade, que precisamos experimentar, em Cristo, na saúde, família, células, ministério, finanças. Um discípulo maduro e que anda em unidade tem o caráter do perdoador.

 

b- MUDANÇA DO NOSSO CARÁTER PELO DE CRISTO:

            Já imaginou: trocar o pior de nós pelo melhor de Deus?

            Na cruz o pecador pode realizar a troca mais significativa da sua vida: a morte pela vida, a condenação pela justificação, o caráter pecaminoso pelo divino (2 Co 5.21). Só na experiência da cruz, o discípulo trocará o caráter da imaturidade e da divisão pelo da maturidade e do aliançamento. Maturidade e unidade são intrínsecos ao carater de Cristo.

            Todo progresso na vida espiritual do discípulo, começa e se firma na cruz (local de morte e renúncia). Sempre que o Senhor quer nos transformar em alguma área, ele nos aponta o caminho da cruz, o caminho da morte na carne.

            Ninguém anda em unidade e na maturidade por acaso. É preciso ser forjado pelo Senhor no caminho da cruz, porque a morte e a renúncia precedem a vida, o crescimento e a conquista. Só pelo caminho da cruz o Senhor poderá transformar o nosso caráter imaturo, pecaminoso, defraudador e perverso, no caráter de Cristo, que glorifica o nome dEle e nos respalda na maturidade e na unidade.

 

c- UMA NOVA IDENTIDADE:

            Na cruz de Cristo morremos para a velha natureza e nascemos para a nova natureza em Cristo. Lá deixamos de ser criaturas de Deus, espiritualmente mortos, para nascermos de novo e nos tornarmos filhos e filhas do Deus Altíssimo, irmãos de Cristo e em Cristo, co-herdeiros com Cristo do Reino de Deus. Aleluia!

            Espiritualmente, a velha natureza é essencialmente imatura por ser desprovida da vida de Cristo, mas a nova, por ser formada em Cristo, é fundamentalmente madura. Uma das bases da nossa maturidade espiritual e da revelação de caminhar em unidade está na revelação de que somos identificados como filhos de Deus.

            Muitos cristãos não conseguem se ver como filhos de Deus, vocacionados para a maturidade e unidade no Reino. Estão presos aos resquícios da velha natureza, da velha identidade. O mundo, a carne, o pecado e o diabo deixaram feridas, derrotas, roubaram a fé e a esperança, plantaram nas suas mentes muitos argumentos e paradigmas que os escravizaram, forjando neles a mentalidade e, em consequência disto, a identidade de perdedores, imaturos e isolados.

            Em Cristo não precisamos mais ser assim! Essa é mais uma mentira do diabo. Em Cristo somos novas criaturas, logo já recebemos uma nova identidade, somos nova geração (2 Co 5.17).

            Precisamos tomar diariamente a nossa cruz para progredirmos no caminho da maturidade em Cristo Jesus. Quanto mais de Cristo em nós, mais maduros e unidos, por isso precisamos ir à cruz, morrer para a velha identidade e nascer para a nova. Na cruz, imaturos, perdedores e fracassados são transformados em maduros, vencedores e conquistadores. Sem cruz, não assumiremos nossa identidade em Cristo nem amadureceremos na vida pessoal, familiar, profissional, financeira, celular etc.

            O Senhor quer levar você a níveis de maturidade e aliançamento (unidade). Tome uma decisão agora mesmo: renuncie a toda carnalidade, pecado, mundanismo e argumentos humanos ou diabólicos em sua mente e vá aos pés da cruz do Senhor e deposite ali tudo o que está em você que não é Cristo e receba de Cristo tudo o que está nEle e que precisa ser encontrado em você. Tome a sua própria cruz, para amadurecer e crescer na revelação da unidade e do aliançamento. Prepare-se para começar a ver maravilhosas mudanças na sua vida e no seu contexto (família, casamento, células, finanças, saúde etc).

 

No amor do Senhor da Maturidade e da Unidade.

 

                                   Aps Aurelio Jesus Santos e Susana Mendes B. Santos.

 

Todos os direitos reservados a Igreja Missionária Manancial

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • MANANCIAL
  • MANANCIAL

Desenvolvido por PLENA PRODUÇÕES